Ubatuba discute estratégia de monitoramento e combate a arboviroses

0

Município tem 347 casos confirmados de dengue

Garantir o fluxo de notificações de casos suspeitos de arboviroses (dengue, chikungunya, febre amarela ou zika), ampliar a testagem e diagnóstico laboratorial, fortalecer campanhas educativas de eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti. Essas foram algumas das ações destacadas pelos membros da Sala de Situação e Comando de Arboviroses de Ubatuba, que se reuniu na manhã da terça-feira, 8, de maneira online.

Até o momento, Ubatuba registrou um total de 2.470 casos suspeitos de dengue, dos quais 347 confirmados, 1.672 descartados e 460 aguardando resultado.

A notificação de casos suspeitos é obrigatória e deve ser feita a partir do serviço que atende o paciente. Há testes rápidos para dengue (NS1/Igm/Igg) na Santa Casa e nos pronto-atendimento Cícero Gomes e Maranduba, porém somente o teste sorológico serve para descartar um caso. Assim, os casos suspeitos que apresentem teste rápido negativo devem ser encaminhados para o posto de saúde de referência do paciente para a coleta e pedido de sorologia, que são enviados ao Instituto Adolfo Lutz (IAL). A Vigilância em Saúde destacou que as equipes de Estratégia de Saúde da Família devem reforçar este procedimento.

Outro aspecto preocupante é a presença do sorotipo 2 da dengue. Das 50 amostras isoladas para envio ao IAL, até o momento foi confirmada o sorotipo 2 em uma delas. Isso significa que quem já teve dengue antes do tipo 1, pode ficar doente novamente caso seja picado por um mosquito infectado por outros tipos. No total, existem 4 tipos de vírus da dengue.

Nebulizações, ADL e controle de criadouros

Os protocolos do Ministério da Saúde e da Secretaria Estadual de Saúde definem que as nebulizações para eliminar o mosquito Aedes aegypti devem ser realizadas em um raio de 250 metros do local de residência de uma pessoa confirmada para dengue ou com suspeita de chikungunya, zika ou febre amarela.

A seção de Combate a Endemias destacou que essa ação elimina mosquitos adultos, mas não suas lavras, além de serem nocivas à saúde humana e à fauna. Por isso, foi apontada a necessidade de intensificar as campanhas educativas de prevenção e orientação para eliminar criadouros do mosquito Aedes. Além das visitas e vistorias de rotina, são realizados mutirões periódicos aos sábados.

No momento, também está sendo feito a segunda Avaliação da Densidade Larvária (ADL) do ano, que detecta o índice de infestação por larvas de Aedes aegypti. O recomendável é que o índice geral esteja abaixo de 1,0. Na primeira ADL do ano, realizada em janeiro, o índice de infestação médio estava em 1,5.

Outra recomendação feita na reunião é de que pacientes suspeitos ou confirmados para dengue e seus contatos próximos utilizem repelente.

Além disso, a secretária de Saúde, Sheila Barbosa, orientou a equipe a retomar o processo de capacitações de agentes comunitários de saúde (ACS) para alimentação dos sistemas de dados sobre arboviroses.

Os Boletins de Arboviroses são divulgados semanalmente e ficam disponíveis na página internet da Vigilância em Saúde em: https://www.ubatuba.sp.gov.br/administracao-direta/sms/vigilancia-em-saude/

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.